Avaliação da Resistência a Flexão e do Efeito da Profundidade da Cavidade e do Armazenamento em Água sobre a Nanodureza de Compósitos Convencionais e Bulk Fill

Nome: Fellipe Bonisem Torres
Tipo: Dissertação de mestrado profissional
Data de publicação: 27/09/2017
Orientador:

Nomeordem decrescente Papel
Juliana Malacarne Zanon Orientador

Banca:

Nomeordem decrescente Papel
Anuar Antonio Xible Examinador Interno
Juliana Malacarne Zanon Orientador
Luis Felipe Jochims Schneider Examinador Externo

Resumo: Os compósitos bulk fill surgiram para simplificar os procedimentos restauradores permitindo o emprego de incrementos maiores de 4 a 5 mm de espessura. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência à flexão e o efeito da profundidade da cavidade e do armazenamento em água na nanodureza (HV) de compósitos bulk fill, comparado-os com convencionais. Foram avaliados quatro compósitos bulk fill (Surefill SDR® - SDR; Filtek Bulk Fill Flow - FBF; X-tra base - XTB; e X-tra Fil - XTF) e dois convencionais (Filtek Z-350XT - XT; GrandioSO - GSO). O primeiro teste, seguindo as normas da ISO 4049/2009, foi de resistência à flexão. Os 15 espécimes (25 X 2 X 2mm) de cada marca comercial foram fotoativados empregando unidade LED, a 1.200 mW/cm2, polidos, armazenados em água destilada (37°C/24 h) e submetidos ao teste em máquina de ensaio universal (EMIC) até a fratura. A segunda avaliação foi do efeito da profundidade da cavidade e do armazenamento em água na HV dos compósitos. Para obtenção dos espécimes, as cavidades classe II com 5,0 x 5,0 x 2,5 mm, foram frezadas em moldes metálicos polidos, cada compósito foi inserido em incremento único na cavidade, e fotoativado pelo tempo recomendado pelo fabricante empregando unidade de led 1200mW/cm². As amostras (n=5) de cada fabricante, unidas a matriz metálica, foram armazenadas em água destilada (37°C/24 h). HV foi aferida em um nanoindentador (DUH 211S, Shimadzu-Japão) equipado com uma ponta de diamante Berkovich (100nm de raio). Cada espécime foi carregado com nove indentações em diferentes profundidades (três em cada camada: superficial, 2mm e 4mm). Por fim, os espécimes foram armazenados por mais 6 dias (7d), e reavaliados. Os dados dos dois estudos foram submetidos à ANOVA e Test-t pareado (α=5%). A GSO apresentou os maiores valores de resistência à flexão, seguidos pelos compósitos XTB>XTF> Z350>FBF>SDR. Na nanodureza houve diferença significativa entre a camada superficial e 4 mm para todos os compósitos, em 24h e 7d. Somente SDR apresentou diferença entre o 24h e 7d em 4mm. O desempenho dos compósitos bulk fill nos testes de resistência à flexão e HV, mostraram bons resultados em referência as suas indicações clínicas, em comparação com os compósitos convencionais.

Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900