Comparação do efeito de agentes pigmentadores orgânicos em resinas compostas fotopolimerizáveis

Resumo: As resinas compostas são utilizadas há muitos anos com grande aceitação, por parte dos profissionais e pacientes por ser um método restaurador imperceptível, propiciando boa estética e por apresentar uma alta taxa sucesso (referências). Apesar das boas características de manuseio e estética, as resinas compostas normalmente apresentam alterações na sua cor por pigmentação após exposição à grande variedade de alimentos e bebidas que, freqüentemente, entram em contato com o ambiente oral. Em diversos trabalhos clínicos realizados, um dos primeiros itens avaliados que sempre se altera é a coloração superficial das restaurações, que sofre pigmentação num período de tempo relativamente curto, de 2 a 4 anos (TÜRKÜN, TÜRKÜN, ÖZATA, 2005; KIREMITCI, ALPASLAN, GURGAN, 2009). Esse fato é causa corriqueira de substituição da restauração e sabe-se que tal característica é dependente das propriedades físico-químicas do material(KROEZE, 1990 et al; WILSON, BURKE, MJOR, 1997; VILLATA, et al 2006).
As propriedades físicas da resina composta dependem da natureza da matriz resinosa, do tamanho das partículas de carga e da interface matriz-carga e podem sofrer influências do ambiente químico presente na boca(YAP, LOW, ONG, 2000; TOPCU et al, 2009). A pigmentação da resina composta pode ocorrer por duas vias: intrínseca e extrínseca. Intrinsecamente, a cor muda devido à alteração físico-química da própria matriz em si, que pode ser causada pela exposição à radiação ultravioleta, mudanças térmicas e umidade (KROEZE et al, 1990; DIETSCHI et al, 1994; VILLATA, et al 2006; TOPCU et al, 2009). A cor também pode mudar extrinsecamente devido à absorção de pigmentos na superfície externa(ABU-BAKR et al, 2000; VILLATA et al, 2006; TOPCU et al, 2009).
Por outro lado, a pigmentação extrínseca pode ocorrer por outros processos: a canforoquinona é sempre citada como fotoiniciador da polimerização das resinas compostas polimerizadas à luz (JANDA et al, 2004). Contudo, se a polimerização for inadequada, a canforoquinona não convertida (livre) pode causar amarelamento do material. Do mesmo modo, outros componentes do sistema fotoiniciador, chamados aminas terciárias ou aminas alifáticas, as quais atuam como sinergistas ou aceleradores, também tendem a causar amarelamento ou escurecimento das resinas compostas sobre influência da luz ou calor. Assim, a afinidade das resinas compostas fotopolimerizáveis por pigmentos extrínsecos é modulada tanto pela sua taxa de conversão quanto pelas suas características físico-químicas e influenciada sobremaneira pela taxa de absorção de água(ERTAS et al, 2006 TOPCU et al, 2009). Outros fatores importantes que afetam a pigmentação extrínseca são a rugosidade da superfície, integridade da superfície e técnica de polimento. Diversos tipos de acabamento e polimento em resinas compostas foram avaliados em estudos in vitro quanto a sua influência na pigmentação do material(LU et al, 2005; REIS et al, 2003; ERDRICH, 2004; BAGHERI, BURROW, TYAS, 2005; TURSSI, FERRACANE, SERRA, 2005; OMATA et al, 2006). Estudos anteriores onde a estabilidade da cor foi analisada concordam que bebidas (café, chá, vinho tinto e cola) e enxaguatórios bucais possuem efeitos antagônicos sobre as resinas compostas fotopolimerizáveis. O potencial pigmentador dessas bebidas e soluções varia de acordo com sua composição e propriedades(BORGES et al, 2004; GULER et al, 2005; TOPCU et al, 2009), sendo que os enxaguatórios provocam a remoção dos pigmentos extrínsecos e as bebidas provocam a pigmentação extrínseca.

MATERIAIS E MÉTODOS

Serão confeccionados 240 discos de resina composta de 2 mm de espessura e 10 mm de diâmetro. Destes, 120 serão polimerizados com luz halógena (Grupo 1) e 120 por luz LED (Grupo 2). Esses 2 grupos de 120 espécimes serão subdivididos de acordo com o tamanho da carga inorgânica em 3 grupos de 40 espécimes: resina microhíbrida (Grupos 1.1 e 2.1), resina micro particulada (Grupos 1.2 e 2.2) e resina nano particulada (Grupo 1.3 e 2.3). Dos 6 grupos acima 10 espécimes de cada serão imersos nas 3 soluções dos agentes pigmentadores, sendo esses vinho, café e refrigerante à base de cola. Os espécimes restantes farão parte do grupo controle, imersos em água destilada (Grupos 1.1.D, 1.2.D, 1.3.D e 2.1.D, 2.2.D e 2.3.D). A separação dos espécimes está exemplificada conforme a Tabela 1.1 e 1.2. As resinas compostas serão compradas diretamente do revendedor.

TIPO DE LUZ Grupo 1

LUZ HALÓGENA
TAMANHO DA PARTÍCULA Grupo 1.1

MICROHÍBRIDA Grupo 1.2

MICRO PARTICULADA Grupo 1.3

NANO PARTICULADA
AGENTE CORANTE Grupo 1.1.A

COCA-COLA Grupo 1.1.B

VINHO Grupo 1.1.C

CAFÉ Grupo 1.1.D

ÁGUA Grupo 1.2.A

COCA-COLA Grupo 1.2.B

VINHO Grupo 1.2.C

CAFÉ Grupo 1.2.D

ÁGUA Grupo 1.3.A

COCA-COLA Grupo 1.3.B

VINHO Grupo 1.3.C

CAFÉ Grupo 1.3.D

ÁGUA

Tabela 1.1. (Grupo 1)

TIPO DE LUZ Grupo 2

LUZ HALÓGENA
TAMANHO DA PARTÍCULA Grupo 2.1

MICROHÍBRIDA Grupo 2.2

MICRO PARTICULADA Grupo 2.3

NANO PARTICULADA
AGENTE CORANTE Grupo 2.1.A

COCA-COLA Grupo 2.1.B

VINHO Grupo 2.1.C

CAFÉ Grupo 2.1.D

ÁGUA Grupo 2.2.A

COCA-COLA Grupo 2.2.B

VINHO Grupo 2.2.C

CAFÉ Grupo 2.2.D

ÁGUA Grupo 2.3.A

COCA-COLA Grupo 2.3.B

VINHO Grupo 2.3.C

CAFÉ Grupo 2.3.D

ÁGUA

Tabela 1.2. (Grupo 2)

Para obtenção dos espécimes, será usada uma matriz de aço composta por duas partes semicirculares de 2mm de espessura que uma vez acopladas fornecem uma perfuração central de 10 mm de diâmetro. As duas partes são fixadas por 4 pinos que estão dispostos equidistantemente entre si e do centro. Com auxílio de uma espátula (OptraSculpt, Ivoclar Vivadent Inc, Lienchtenstein) as resinas compostas serão inseridas pela técnica de incremento único na matriz e uma fita de poliéster será colocada sobre a resina composta antes da polimerização para uniformizar o polimento superficial dos espécimes. A polimerização será feita com auxílio ou de uma fonte polimerizadora de luz LED ou de luz halógena.
Os grupos serão distribuídos em recipientes individuais e fechados hermeticamente onde serão imersos em seus respectivos agentes pigmentadores e armazenados a 37°C, e serão avaliados após um período de tempo de 7, 35 e 70 dias. Para a mensuração da mudança de cor será utilizado um colorímetro (Konica Minolta, CR-400) através do sistema CiElab.
Serão utilizados os seguintes agentes corantes e métodos de preparo:
a- Café: Para preparar a solução de café padronizada,(Café Pilão, União, Brasil) será colocado 60g de pó de café em um filtro de papel Pilão (União, Brasil) e 1000ml de água destilada , após fervida a 100°C durante 1 minuto, que será então dispensada sobre o café.

b- Cola: Será utilizada uma solução original do refrigerante a base de cola (Coca cola, Brasil), sendo dispensada no recipiente e este mantido fechado.

c- Vinho Tinto: Será utilizado um vinho tinto da marca Sinuelo (Irmãos Mollon, Brasil) será dispensada diretamente no recipiente, para não sofrer nenhuma alteração.
Os agentes pigmentadores serão acomodados em Placas de Petri estéril (60 mm de diâmetro X 10 mm de altura) onde os espécimes de cada grupo serão acomodados e o recipiente fechado hermeticamente. A cada período de 07 dias será feita reposição das bebidas vinho e café e do refrigerante à base de cola a cada 02 dias, sempre armazenado à temperatura de 37°C em estufa.
Após cada um dos períodos pré-determinados, os corpos de prova serão levados ao espectrofotômetro onde serão medidos e registrados os valores de ∆Lab (variação de valores de matiz, croma e brilho da cor das resinas compostas).

6: Análise estatística
Os dados obtidos serão submetidos à análise estatística descritiva e análise de variância (MANOVA) com nível de significância de 5% e, quando detectada diferença estatística, os valores serão submetidos ao Teste Tukey para comparações múltiplas.
Não há qualquer tipo de vínculo ou interesse comercial das pessoas envolvidas neste projeto com as empresas que fabricam as resinas compostas ou os outros materiais que serão utilizados nesta pesquisa.

7: Estudo piloto
É necessário que seja feito um estudo piloto seguindo a metodologia descrita com o intuito de identificar e solucionar quaisquer dificuldades ou impedimentos para a realização da pesquisa proposta. Para isso, será utilizada uma amostra de dois corpos de prova para cada grupo.

REFERÊNCIAS
Vogel RI. Intrinsic and extrinsic discoloration of dentition: A literature review. J Oral Med 1975; 30: 99-104.

Eriksen HB, Nordbö H. Extrinsic discoloration of teeth. J Clin Periodontol 1978; 5: 229-236.

Andy M, Cadogan S, Taylor L, Prayitno S. Chlorhexidine staining: A clinical cross-over study and dietary analysis in volunteer subjects (abstract). J Dent Res 1979; 58: 1254.

Scotti R, Mascellani SC, Fortini F. The in vitro color stability of acrilic resins for provisional restorations. Int J Phosthodontology 1997; 10: 164-168.

Belli S, Tanriveridi FF, Belli E. Color stability of three esthetic laminate materials against to different staining agents. J Marumara University Dent Faculty 1997; 2: 643-648.

Yannikakis SA, Zissis AJ, Polyzois GL, Caroni C. Color stability of provisional resin restorative materials. J Prosthetic Dent 1998; 80: 533-539.

Villalta P, Lu H, Okte Z, Garcia-Godoy F, Powers JM. Effects of staining and bleaching on color change of dental composite resins. J Prosthet Dent 2006;95:137-142.

Kroeze HJ, Plasschaert AJ, van’t Hof MA, Truin GJ. Prevalence and need for replacement of amalgam and composite restorations in Dutch adults. J Dent Res 1990;69:1270-4.

Wilson NH, Burke FJ, Mjor IA. Reasons for placement and replacement of restorations of direct restorative materials by a selected group of practitioners in the United Kingdom. Quintessence Int 1997;28:245-8.

Yap AUJ, Low JS, Ong LFKL. Effect of food-simulating liquids on surface characteristics of composite and polyacid-modified composite restoratives. Oper Dent 2000;25:170-6.

Dietschi D, Campanile G, Holz J, Meyer J. Comparison of the color stability of 10 new-generation composites: An in vitro study. Dent Mater 1994;10:353-62.

Abu-Bakr N, Han L, Okamato A, Iwaku M. Color stability of compomer after immersion in various media. J Esthet Dent 2000;12:258-63.

Satou N, Khan AM, Matsumae I, Satou J, Shintani H. In vitro color change of composite-based resins. Dent Mater 1989;5:384-7.

Janda R, Roulet JF, Kaminsky M, Steffin G, Latta M. Color stability of resin matriz restorative materials as a function of the method of lighting activation. Eur J Oral Sci 2004, 112: 280-285.

de Gee AJ, ten Harkel-Hagenaar E, Davidson CL. Color dye for identification of incompletely cured composite resins. J Prosphet Dent 1984; 52: 626-631.

Lu H, Roeder LB, Lei L, Powers JM. Effect of polishing systems on surface roughness of microhybrid composites. J Esthet Restor Dent 2003; 15: 297-304.

Lu H, Roeder LB, Lei L, Powers JM. Effect of the surface roughness on stain resistence of dental composites resins. J Esthet Restor Dent 2005; 17: 102-108.

Reis AF, Giannini M, Lovardino JR, Ambrosano GM. Effects of various finishing system on the surface roughness and staining susceptiblity of packable composite resins. Dent Mater 2003; 19: 12-18.

Erdrich A. Discoloration face-off: fine-hybrid composite versus nanofilled. Dental Products Report Europe 2004; Sept: 8-11

Bagheri R, Burrow MF, Tyas M. Influence of foodsimulating solutions and surface finish on susceptibility to staining of aesthetic restorative materials. J Dent 2005; 33:389-98.

Turssi CP,Ferracane JL, Serra MC. Abrasive wear of composite resins as related to finishing an polishing procedures. Dent Mater 2005; 21: 641-648.

Omata Y, Uno S, Nakaoki Y, Tanaka T, Sano H, Yoshida S, Sidhu S K. Staining of hybrid composites with coffee, oolong tea, or red wine. Dent Mater J 2006;25:125-131.

Borges AB, Marsilio AL, Pagani C, Rodrigues JR. Surface roughness of packable composites resins polished with various systems. J Esthet Restor Dent 2004; 16: 42-47.

Guler AU, Yilmaz F, Kulunk T, Guler E, Kurt S. Effects of different drinks on stainability of composite resin provisional restorative materials. J Prosphet Dent 2005; 94: 118-124.

Kiremitci A, Alpaslan T, Gurgan S. Six-year Clinical evaluation of packable composites restorations. Oper Dent 2009; 34-1:11-17

Ertas E, Güler AU, Yücel AÇ, Körprülü H, Güler E. Color stability of resin composites after immersion in different drinks. Dent Mater J 2006; 25(2): 372-376.

Vichi A , Ferrari M, Davidson CL. Color and opacity variations in three different resin-based composite products after water aging. Dental Materials (2004) 20, 530–534.

Türkün SL, Türkün M, Özata F. Clinical performance of a packable resin composite for a period of 3 years. Quintessence Int 2005; 36: 365-372

Topcu FT, Sahinkesen G, Yamanel K, Erdemir U, Oktay EA, ErsahanS. Influence of Different Drinks on the Colour Stability of Dental Resin Composites. Euro J Dent 2009; 3: 50-56.

Data de início: 2012-03-10
Prazo (meses): 24

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Aluno Mestrado Fabíola Gonçalves Fonseca
Coordenador Anuar Antonio Xible
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900