ANÁLISE DE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E MOLECULARES DA ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR EM MÁ OCLUSÃO EXPERIMENTAL

Resumo: A articulação temporomandibular (ATM) é afetada pelos mesmos processos patológicos de outras articulações do organismo. A osteoartrite (OA) é a doença observada na maioria das disfunções temporomandibulares (DTM) de origem articular e se caracteriza principalmente pela degradação da cartilagem e até mesmo do osso subjacente. Ela pode ser causada por maloclusões que geram áreas de compressão na ATM por interromperem a correta distribuição das cargas mastigatórias. Com intuito de elucidar esse processo de destruição, os mecanismos moleculares da OA passaram a ser estudados. Nesse contexto, a síntese e degradação da matriz extracelular através da atividade dos condrócitos, bem como importantes vias de sinalização, vem sendo descritos. Diante de um estímulo mecânico pode ocorrer aumento da produção de enzimas que degradam a cartilagem, como as agrecanases e metaloproteinases (MMPs), que são por sua vez reguladas por moléculas inibidoras como as TIMPs (inibidores teciduais de metaloproteinases). TIMP-1 é a mais conhecida e expressa por fibroblastos, osteoblastos, condrócitos e outras células. O presente estudo tem por objetivo avaliar o perfil de danos estruturais e moleculares que a má oclusão pode causar na ATM. Para isso, será criada uma desordem oclusal (sagital) em ratos através da movimentação mesial dos primeiros molares e distalização dos terceiros molares unilateralmente e em lados opostos das arcadas. Ao final de duas e quatro semanas, serão avaliados o perfil de expressão de TIMP-1, bem como as alterações morfológicas na cartilagem articular.

Data de início: 2016-08-02
Prazo (meses): 36

Participantes:

Papelordem decrescente Nome
Colaborador WILLIAN GRASSI BAUTZ
Coordenador Leticia Nogueira da Gama de Souza
Transparência Pública
Acesso à informação

© 2013 Universidade Federal do Espírito Santo. Todos os direitos reservados.
Av. Marechal Campos, 1468 - Maruípe, Vitória - ES | CEP 29043-900